Textos

Entrevista concedida a Ivan Cavalcanti Proença
Entrevista concedida por Goulart Gomes, criador e coordenador geral do Movimento Internacional Poetrix a Ivan Cavalcanti Proença, Professor, Mestre e Doutor em Literatura. Autor de inúmeros livros/Ensaios de Literatura e Diretor/Professor da Oficina Literária mais antiga do Brasil.



Qual a inspiração mais atuante? Os micropoemas, poemas-minuto do Modernismo ou os tercetos orientais? Ou nenhum deles? Nesse caso, revelar a (s) fonte (s).



Eu diria que ambas. Rilke (1) afirmava que um poema é bom se nasceu pela necessidade. O POETRIX nasceu pela necessidade. Transmitir uma mensagem poética em apenas uma estrofe de três versos já impõe uma grande limitação; se, aliado a isto, temos ainda limitações temáticas ou estilísticas, a dificuldade torna-se ainda maior. Mas este não é o único entrave: perde-se em criatividade, perde-se a possibilidade de alçarmos maiores vôos. O POETRIX em sido chamado de "anti-haicai" ou "filho rebelde do haicai". Eu diria que ele é um 'herdeiro" do haicai, pela sua forma e um "herdeiro" dos micropoemas e poemas-minuto, pelo seu conteúdo. Mas, não esqueçamos que o terceto também tem uma tradição ocidental, oriunda dos terzettos italianos, praticados por Dante Alighieri.



O movimento literário Poetrix se vale de liberdades métrica e rímica, mas padrão estrófico. Como se explica, diante da, hoje, aceita conceituação de que Conteúdo é forma que vem à tona?

Conceitos são bons até que surjam outros, melhores, que os substituam. Qualquer paradigma só aguarda o momento de ser quebrado. O POETRIX preza a similicadência (frases com um mesmo ritmo ou cadência) ou, ao menos, o isocronismo (mais ou menos o mesmo número de sílabas) (2). Mas isto não é uma regra. Aliás, é sempre bom relembrar: não existem regras no POETRIX. No Manifesto Poetrix (3) apenas identificamos algumas características principais, que viriam a contribuir para a formulação da definição (ainda não definitiva) à qual chegaram os integrantes do Movimento Internacional Poetrix: um terceto contemporâneo, de temática livre, com título, ritmo e um máximo de trinta sílabas, possuindo figuras de linguagem, de pensamento, tropos ou teor satírico. Alguns teóricos defendem a opinião segundo a qual o que diferencia a poesia da prosa é o ritmo. Ainda assim, a poesia concreta despreza o ritmo; não seria ela, então, nem prosa nem poesia? O POETRIX insere-se no universo dos tercetos, possui padrão estrófico e rítmico mas, ao mesmo tempo, temos visto surgirem POETRIX CONCRETOS, no espaço das três linhas. O que vem à tona sempre é o conteúdo, na forma que melhor se adeque.



Os não-ditos e o jogo imagístico constituem a força, a essência dos poemas?

Em grande parte, sim. A nossa linguagem, ocidental, não tem o recurso "paisagístico" dos ideogramas japoneses. O grande haijin Masuda Goga (4) cita, em um dos seus livros, o escritor nipônico Ikutarô Nishida: "penso que uma forma poética como o haiku não poderá ser, absolutamente, traduzida para idioma estrangeiro... [ele]... mostra a atitude peculiar dos japoneses em relação à vida e ao mundo" . As mais bem intencionadas tentativas ocidentais (e principalmente brasileira, como a de Guilherme de Almeida) de prática do haiku - e sua adaptação, transformando-o em haicai - não passam de pálidos reflexos, sem a riqueza dos originais. Então, parodiando Caetano Veloso ("só é possível filosofar em alemão"): só é possível fazer haiku em japonês. Por aqui, "atropelamos" o haicai. A maioria dos poetas, por absoluto desconhecimento, acredita que está fazendo haicai, mas não. Ignoram o kigo (emoções vinculadas a estações do ano), o haimi (sabor, essência), o kireji (cadência). Para compensar esta nossa "desvantagem" visual, o POETRIX traz a imagética para o texto. O não-dito, por vezes, fala mais. Reconstruímos as imagens com o que nos permitem as palavras, incorporando figuras de linguagem, o non-sense, o humor. Acredito que, principalmente por isso, o POETRIX esteja sendo tão bem aceito por poetas do México, Argentina, Espanha e Portugal, dentre outros. Ele já "nasceu" ocidental, adequado à nossa escrita e facilmente assimilável pelas mais diferentes culturas.



Poetrix resulta do experimentalismo de vanguarda, da exaustão do Modernismo, ou de uma retomada da idéia de que "não sabemos o que queremos, mas sabemos o que não queremos!"

O POETRIX sabe o quer: tornar-se uma nova linguagem poética, que permita ao autor realizar altos vôos num curto espaço, "desengessar" o terceto, retirar-lhe as amarras, torná-lo contemporâneo. O POETRIX surge no "rastro" de poetas como Leminsky, Millor e Cacaso e totalmente adequada à dinâmica e à velocidade da informação no cibermundo em que vivemos. Mas o enigma da literatura brasileira hoje é: Onde termina (ou terminou) o Modernismo? Esse movimento quase octogenário é um divisor de águas. O recente e polêmico livro Os Cem Melhores Poetas Brasileiros do Século, organizado por José Nêumanne Pinto, tem a sua primeira parte intitulada "Pré-Modernismo", adotando o conceito de Alceu Amoroso Lima: "o que concede ao prefixo pré uma conotação meramente temporal de anterioridade". Nela estão elencados poetas tão distintos quanto Augusto dos Anjos e Machado de Assis! E o que aconteceu após a Semana de 22 que realmente se diferenciasse da proposta modernista? Talvez, apenas, o Concretismo e o Poema-Processo, que tem um apelo muito mais visual, gráfico, do que semântico. Hoje, temos bons poetas românticos, simbolistas, parnasianos, modernos; sonetistas, cordelistas, trovadores, de visuais, de versos livres. Vivemos uma agradável "babel", onde todos se entendem. Neste ponto, sim, o conteúdo é forma que vem à tona... de qualquer forma! O Modernismo deu um tiro de misericórdia nas "escolas literárias" ou, como diria Raul Seixas, "faça o que tu queres pois é tudo da Lei". Melhor seria considerar o POETRIX como resultante do experimentalismo de vanguarda, da busca por novas formas de expressão da nossa criatividade ou, apenas um exercício do que preconiza o mestre Ferreira Gullar: é preciso, ao poeta, elaborar a sua linguage,.

Agradeço à Amélia Alves pela oportunidade de conceder esta entrevista, ao mestre Ivan C. Proença pelo brilhantismo das questões levantadas e convido todos os leitores a conhecerem mais o POETRIX visitando: http://www.movimentopoetrix.com

______________________________________________________________

Rilke, Rainer Maria. Cartas a um Jovem Poeta.
Garcia, Othon M. Comunicação em Prosa Moderna.
Gomes, Goulart. Trix Poemetos Tropi-kais.
Goga, H. Masuda. O haicai no Brasil.
Pinto, José Nêumanne, Os cem melhores poetas brasileiros do século.
Poetrix
Enviado por Poetrix em 24/11/2006


Comentários